Dorme o coração e no coração dorme a inquietude,
dorme perto de teias de aranha a mosca na parede;
há silêncio na casa, o rato vigilante nem se coça,
dorme o jardim, o galho, no tronco o pica-pau,
na colmeia a abelha, na rosa o besouro capitão
dorme no grão de trigo girante o verão,
dorme na lua a chama, medalha fria no céu;
o outono se levanta e surrupiando vai piando na noite